top of page
  • Foto do escritorLeonardo Marques

Artefatos Culturais e a chave da gestão consciente no século 21

Artefato cultural é um termo técnico muito utilizado por historiadores ou arqueólogos para se

referir a algum objeto, instrumento, símbolo, pintura ou qualquer outra forma de registro que

ajuda a explicar como eram as crenças, hábitos e as estruturas sociais de determinada

cultura. No contexto das empresas, Edgar Schein descreve os artefatos culturais, ou

organizacionais, como sendo as características visíveis ou experienciais da cultura, ou seja:

tudo aquilo que uma pessoa escuta, vê ou sente quando se depara com uma organização.



Fonte: Modelo de iceberg de Edgar Schein


Esta imagem do iceberg ajuda a representar bem o papel dos artefatos na dinâmica cultural de uma organização: ao passo que as crenças e valores são um pouco mais difíceis e demoradas de se perceber, por estarem submersas nas percepções subjetivas dos colaboradores, os artefatos podem ser mais facilmente identificados apenas por meio de uma observação mais profunda.


Schein classificou os artefatos organizacionais em 4 categorias:


1- Estruturas Físicas e Símbolos: referem-se à configuração do ambiente de trabalho: o refeitório, a sala de reuniões, uniforme, crachá, troféus, etc.

2- Rituais e Cerimônias: são os eventos institucionais, processos seletivos, integração de novos colaboradores,reuniões de feedback, etc.

3- Linguagem Organizacional: são elementos da linguagem usados no dia a dia da empresa, como as metáforas, jargões, slogans, hashtags, etc.

4- Histórias e Heróis: são acontecimentos marcantes na organização ou pessoas que servem de inspiração para os demais por seus feitos no passado.

No entanto, a maioria dos artefatos costumam ser criados sem muita intencionalidade, o que pode ser algo a se preocupar, pois sem se pensar em suas premissas, existe um grande risco deste artefato reforçar comportamentos incoerentes ou indesejados em uma cultura.


Alguns exemplos ajudam a ilustrar:


- Uma cultura que busca promover a colaboração, mas que só mede resultados individuais;

- Um layout de ambiente de trabalho sem divisórias, mas que mistura profissionais que precisam se concentrar com outros que passam bastante tempo em chamadas;

- Reuniões entre líderes estratégicos para passar simples informações ou fazer alinhamentos que poderiam ser feitos em uma mensagem ou um e-mail;


Por outro lado, quando analisamos aqueles artefatos mais poderosos de uma organização e que contribuem, de fato, com a construção da cultura desejada, podemos notar algumas características em comum entre eles:


1- Criam um contexto de pertencimento - eles unem os membros de uma organização com a história dela e com seus valores. (ex: evento de aniversário da empresa com espaço para reconhecer colaboradores responsáveis por grandes conquistas ou por momentos de superação);


2- Revelam necessidades organizacionais, que precisam ser cuidadas por meio do reforço contínuo de comportamentos-chave (ex: premiações e reconhecimento público de pessoas ou equipes que geram ótimos resultados ou demonstraram atitudes exemplares);


3- Apontam uma direção para seguir - estão associados a um propósito, uma meta. (ex: slogans organizacionais que ajudam a comunicar como a organização deseja se tornar ou a forma como ela trabalha para atingir seus resultados. Algo como "Evoluir a forma de se fazer negócios para evoluir a sociedade".


Ou seja, não basta simplesmente fazer com que os artefatos surjam “do nada”. É preciso entender que eles não se constroem sozinhos, mas sim com o auxílio e colaboração mútua entre os times e lideranças dentro das organizações.


É a partir do cuidado com as pessoas e entre as pessoas, que é possível se ter cuidado com a cultura da empresa - a preocupação com a vida de cada um que compõe a equipe, um simples agradecimento de informação enviada, etc - que trazem a sensação de pertencimento e criam um legado para a toda a história.


Commentaires


bottom of page